English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Década de 1920 - Shakespeare em Altinópolis - Nove de Março X Whashington Luís - Clubes Políticos


A década de 1920 fora um período negro em toda história mundial, com pouco desenvolvimento tecnológico importante nos países de primeiro mundo. O fato é que de 1914 até 1945 o mundo passaria por duas guerras e depressões econômicas assustadoras, onde a miséria e a penúria rondavam nações inteiras.

O caso específico de Altinópolis não fora diferente. A população urbana se estagnara e as condições de saneamento e saúde eram precárias, como em todos municípios brasileiros. Nas fazendas, o berro dos bois e as dádivas da caça e pesca forneciam a proteína básica da subsistência.
Na política, o primeiro prefeito municipal foi Manoel Joaquim Soares, de 1920 a 1925.
A ata da construção do Clube Nove de Março foi assinada em 1926, onde o futuro prédio funcionaria como uma agremiação política aos adeptos da corrente PRP liderada por Cristãos católicos.
Já o clube Washington Luís, que seria fundado em 13 de Janero de 1929 e teria prédio próprio no mesmo local onde é a atual sede do AFC, abrigaria a corrente PRP liderada por Cristãos protestantes. O "Centro Washington Luís" já existia e seria substituído pelo "Clube" homônimo.
Dois clubes politicamente adversários, na mesma rua e no mesmo quarteirão.
Haviam dois partidos políticos: o PRP Católico e o PRP Protestante. Tudo girava em torno da mesma arena, um jardim dividido por dois templos antagônicos.

Em 1928, o líder político Sylvio Ribeiro da Silva tomaria posse como o primeiro deputado estadual de Altinópolis, motivo para que seus partidários fizessem festa no Centro Washington Luís para comemorar a vitória. Isso acirraria ainda mais a rixa política com o principal adversário polítivo de Sylvio, o cel. Honório Vieira de Andrade Palma que, além de líder do PRP antagonista, era também o pai de Laudelina Garcia Palma, a namorada do rival. No dizer de Euclides da Cunha, as paixões políticas são capazes dos maiores desastres.
Um dos episódios mais tristes da história política de Altinópolis ocorreria na porta da Igreja Matriz. Ao final de uma missa, Sylvio Ribeiro da Silva esperava a namorada Laudelina Palma à porta da igreja. Foi quando o cel. Honório o teria agredido fisicamente, frontalmente, na presença de todos. Poucas semanas depois, no dizer de várias testemunhas que presenciaram os fatos, o cel. Honório sofreria um atentado defronte a atual Farmácia Nova, na esquina da então Praça da Matriz, quando fora atropelado por um carro de praça (táxi), a mando de Sylvio Ribeiro da Silva. O cel. Honório sofrera vários ferimentos e fora hospitalizado em Batatais, a mesma cidade que abrigaria como detido o motorista do atentado, partidário de Sylvio.

O agravamento da crise financeira mundial em 1929 alardearia ainda mais os prenúncios do fim do mundo. Em 3 de março de 1930, Julio Prestes, o candidato indicado pelo presidente da república Washington Luís, seria apoiado pelas duas correntes do PRP de Altinópolis e da maioria dos municipios brasileiros, tanto que venceria as eleições com larga margem de vantagem e seria o novo presidente do Brasil.


Com a vitória de Julio Prestes e uma carreira política brilhante que se vislumbrava, o deputado Sylvio Ribeiro da Silva faz as malas e regressa à Altinópolis, não como deputado, mas para pedir formalmente em casamento a mão da sua namorada Laudelina Garcia Palma, filha do cel. Honório Palma. A razão dera lugar às mágoas de outrora. Em procuração, o cel. Honório cederia ao pedido, mas com a condição de que o casamento fosse realizado no regime de separação de bens e na Igreja Católica, o que de fato ocorreu.
Em 10 de julho de 1930, na Igreja Matriz de Batatais, deu-se o casamento de Sylvio Ribeiro da Silva e Laudelina Garcia Palma.

Sylvio Ribeiro da Silva, nascido em 22 de Janeiro de 1898, era filho de Alfredo Ribeiro da Silva e Eliza Garcia da Costa, neta de João Garcia de figueiredo (filho do capitão Diogo Garcia da Cruz). Com a morte prematura da mãe, o menino Sylvio Ribeiro da Silva fora criado pela sua tia, Ana Albertina da Costa ("tia Nhazinha"), irmã ma sua mãe Eliza, casada com Francisco Meirelles Marques, que seria o o segundo pai de Sylvio, uma vez que o pai Alfredo Ribeiro da Silva, viúvo, se mudaria para a capital. Sylvio fizera as primeiras letras na Vila de Mato Grosso de Batataes, mas logo iria para São Paulo, aluno do Instituto Mackenzie, onde se formaria engenheiro. Teve uma vida acadêmica bastante intensa e uma carreira meteórica. Amigo da família Junqueira, fora afilhado político do chefe maior do PRP do Estado de São Paulo, o cel. Joaquim da Cunha Diniz Junqueira (sogro do dr. Altino Arantes), um homem que fazia presidentes da república. O prestígio do jovem Sylvio junto ao cel. Quinzinho (assim apelidado) também o tornaria afilhado de casamento do político mais importante da região. Por procuração, o cel. Joaquim da Cunha Diniz Junqueira fora padrinho de Sylvio e Lilly, na pessoa do cel. Joaquim Alberto da Costa.


O amor vencera a paixão política mas logo o Brasil conheceria a maior de todas as pestes: a ditadura.
Em outubro de 1930 o candidato derrotado a presidência, o advogado de São Borja Getúlio Dornelles Vargas, o mesmo que havia sido secretário da fazenda do governo Washingtom Luís, daria o golpe e impediria a posse de Julio Prestes. Era inicio da era Vargas, uma ditadura que perduraria por quinze longos anos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário